Publicidade

Acesso Restrito

Jogos e Brincadeiras na Construção das Aprendizagens de Crianças da Educação Infantil

Por: Elisiane Vargas Pretzel

Resumo: Este artigo foi elaborado com o objetivo de apresentar os resultados de uma pesquisa realizada por ocasião da conclusão do Curso de Pedagogia EAD/UAB/UFSM. A referida pesquisa buscou verificar como os jogos e brincadeiras são trabalhados na Educação Infantil, analisando também as contribuições dos mesmos para o processo de construção das aprendizagens das crianças desta etapa de escolarização. A pesquisa participante foi escolhida como encaminhamento metodológico para realização do trabalho, pois os dados foram coletados quando da realização do estágio curricular obrigatório na Educação Infantil do curso de Pedagogia. Este estágio ocorreu na Escola Municipal de Ensino Fundamental Antonio Luiz Barchet na cidade de Dona Francisca/RS. Foram usados como instrumentos de coleta de dados a observação e a entrevista. Para fundamentar a pesquisa e a análise dos dados utilizou-se, basicamente, os estudos de Vygotsky (1984,1994,1998) e Kishimoto (1993). Após as observações ficou evidente que os jogos e brincadeiras constituem-se por si só situações de aprendizagem. As regras e a imaginação estimulam a criticidade e criatividade da criança promovendo avanços em seus comportamentos, tanto no que diz respeito ao relacionamento com os demais como também quanto à questões que envolvem a desinibição, oralidade, psicomotricidade, entre outros. Assim, ao final da investigação concluiu-se que a prática dos jogos e brincadeiras na Educação Infantil traz significativas contribuições para a aprendizagem das crianças, pois proporciona a interação e propicia o desenvolvimento das capacidades afetivas, cognitivas e sociais.

Palavras-chave: Jogos; Brincadeiras; Aprendizagens.

INTRODUÇÃO

O presente artigo tem por objetivo apresentar algumas constatações e problematizações que envolvem o tema Jogos e Brincadeiras na construção das aprendizagens de crianças da Educação Infantil.

O tema foi escolhido por acreditar-se que na infância o brincar é intrínseco à constituição do ser criança. Através do brincar os pequenos são capazes de criar e vencer seus próprios limites e construir suas próprias aprendizagens. Os jogos e brincadeiras auxiliam a criança no processo de pensar, imaginar, criar e se relacionar com os demais. “A brincadeira é atividade física ou mental que se faz de maneira espontânea e que proporciona prazer a quem a executa”. (QUEIROZ, 2003, pg.158).

No momento em que ela brinca a aprendizagem acontece, porque a “aprendizagem é construção do conhecimento”. (QUEIROZ, 2003 pg.22). Na brincadeira a criança se solta, deixa sua liberdade e sua criatividade fluírem podendo assim descobrir-se como pessoa. Isso, porém, ocorre de forma sistematizada, quando há a participação do professor como mediador do processo, dialogando com a criança e criando situações de jogos e brincadeiras que mobilizam saberes e promovem a construção de novas aprendizagens.Brincar é uma “proposta criativa e recreativa de caráter físico ou mental, desenvolvida espontaneamente”. (QUEIROZ,2003,pg. 38).

Os jogos e brincadeiras devem fazer parte do cotidiano das crianças da educação infantil. Através deles, a criança pode estimular o desenvolvimento do seu raciocínio lógico, da cooperação, criatividade, coordenação, imaginação e socialização. Através do jogo pode-se oportunizar aos alunos aprenderem a respeitar regras, discutir, inventar, criar e transformar o mundo onde estão inseridos. Isso porque o jogo constitui-se em “uma atividade organizada por um sistema de regras, na qual se pode ganhar ou perder”. (QUEIROZ, 2003, pg.158).

Partindo destas ideias, buscou-se realizar esta pesquisa com o objetivo de verificar como são trabalhados os jogos e brincadeiras na educação infantil. Especificamente, objetivou-se investigar a relevância dos jogos e brincadeiras no desenvolvimento da criatividade, do equilíbrio, da coordenação e da comunicação dos alunos. A efetivação do estudo deu-se por meio de observações realizadas durante o estágio supervisionado e também pela realização de uma entrevista com a direção, professores e alunos da E.M.E.F Antonio Luiz Barchet de Dona Francisca/RS.

Desse modo, ao investigar os jogos e brincadeiras na Educação Infantil, buscou-se saber qual seria o melhor meio de introduzir o lúdico no cotidiano da Educação Infantil e no processo de aprendizagem. Para isso, foi necessário conhecer a realidade dos educandos e propor atividades que despertassem seu interesse e suas aprendizagens.

Vygotsky (1984,1994,1998) e Kishimoto (1993), constituíram-se nas referências básicas que fundamentaram este estudo por trazerem contribuições acerca do jogo e do brincar na educação infantil, além de tratarem da questão da socialização e constituição do ser pela interação social.

A escrita deste artigo foi organizada inicialmente pela apresentação dos encaminhamentos metodológicos que conduziram a investigação, seguidos pela fundamentação teórica na qual foram embasadas algumas ideias e constatações. Posteriormente foram trazidas as análises das observações realizadas e também das contribuições dos professores, direção da escola e alunos. Finalizando, apresentam-se as considerações que retomam a questão que originou esta investigação buscando respondê-la a partir do estudo realizado.

METODOLOGIA

A metodologia escolhida para desenvolver esse trabalho foi a pesquisa qualitativa baseada em estudos bibliográficos, observações e realização de entrevista. A pesquisa qualitativa,

vale-se de procedimentos de coleta de dados os mais variados, o processo de análise e interpretação pode, naturalmente, envolver diferentes modelos de análise.Todavia, é natural admitir que a análise dos dados seja de natureza predominantemente qualitativa (GIL, 2008,p.141).

Neste tipo de investigação o pesquisador entra no contexto dos sujeitos conhecendo-o e compreendendo-o de modo a tornar a pesquisa mais sólida. O contexto, no caso específico deste trabalho, foi a Pré - Escola Girassol, que faz parte da Escola Municipal de Ensino Fundamental Antonio Luiz Barchet, a qual se situa no Núcleo Habitacional Gentil Téssele, em Dona Francisca/RS. Foram sujeitos da investigação, os alunos da pré-escola nível A (5 anos), a professora regente da turma e a diretora da escola.

O objetivo da pesquisa foi coletar dados que pudessem comprovar a importância dos jogos e as brincadeiras para o processo de desenvolvimento e aprendizagem de crianças em idade pré-escolar.

Como a coleta foi realizada durante a inserção na turma, para a realização do Estágio Supervisionado1, optou-se pela utilização da pesquisa participante, pois esta propicia que o pesquisador participe e interaja junto aos sujeitos da pesquisa.

A pesquisa participante é apresentada como sendo aquela em que o pesquisador, para realizar a observação dos fenômenos ou da situação problema a ser investigada, compartilha a vivência (a vida) dos sujeitos pesquisados, participando, de forma sistemática e permanente, ao longo do tempo da pesquisa, das suas atividades. (SEVERINO, 2007, p.15).

Além da observação e inserção, realizou-se também uma entrevista contendo oito perguntas abertas as quais foram respondidas pela diretora da escola, professores e alunos que se dispuseram a contribuir com esta investigação. As questões estiveram focadas no tema jogos e brincadeiras na construção da aprendizagem das crianças da Educação Infantil.

Os elementos mais significativos observados durante a realização do estágio foram registrados em um diário de campo. As entrevistas foram realizadas pessoalmente, onde as respostas obtidas foram anotadas manualmente. Diante dos dados coletados através de ambos os instrumentos, organizou-se o presente artigo buscando analisá-los a luz do referencial teórico e das compreensões já enunciadas sobre a importância dos jogos e brincadeiras na construção das aprendizagens das crianças.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Para aprofundar os estudos relativos aos jogos e brincadeiras e sua relação com o processo de aprendizagem de crianças em idade pré-escolar buscou-se os referenciais teóricos de Vygotsky (1984,1994,1998) e Kishimoto (1993) os quais tem em comum o estudo sobre a importância dos jogos e brincadeiras na Educação Infantil.

Sabe-se que os jogos e brincadeiras estão presentes no cotidiano das crianças, sendo atividades livres e espontâneas, onde o aprendizado acontece por meio das interações com as demais crianças e com os objetos a sua volta.

Kishimoto(1993) ressalta que o brinquedo assume a função lúdica e educativa. Como função lúdica o brinquedo propicia diversão, prazer e até desprazer. E como função educativa, ensina tudo aquilo que complete o indivíduo em seu saber, seus conhecimentos e sua apreensão do mundo.

O jogo, aqui compreendido como o ato de envolver-se no brincar, possibilita à criança exercitar-se no domínio do simbolismo, ou seja, adentrar em mundos que se encontram apenas no seu imaginário. “O jogo e a brincadeira permitem ao aluno criar, imaginar, fazer de conta, funciona como laboratório de aprendizagem, permitem ao aluno experimentar, medir, utilizar, equivocar-se e fundamentalmente aprender” (VYGOTSKY e LEONTIEV,1998 p.23). O jogo está relacionado não só ao ato de jogar um jogo, mas ao de envolver-se com o brinquedo, de fantasiar, isso é jogar. “Os jogos são brincadeiras e ao mesmo tempo meios de aprendizagem” (PIAGET,1967, p. 87). Assim, o jogo pode ser muito mais que uma simples brincadeira. Ele proporciona o desenvolvimento e a aprendizagem dos alunos.

Ao brincar a criança amplia seus conhecimentos por meio das conversas e discussões que venham a acontecer durante a interação com as demais ou ainda, quando está só, através de sua própria imaginação que transforma seus brinquedos em seres animados capazes de dialogar com ela estabelecendo também uma interação produtiva em termos de aprendizagens. “Brincar é muito importante, porque, enquanto estimula o desenvolvimento intelectual da criança, também ensina hábitos necessários ao seu crescimento” (BETELHEIM, 1998, p.168.)

Deste modo, a prática de jogos e brincadeiras no cotidiano escolar da Educação infantil torna-se fundamental uma vez que, por meio do brincar, as crianças, além de desenvolverem suas próprias aprendizagens, aprendem a respeitar regras e normas de convivência. Além disso, brincadeiras e jogos, são capazes de elevar a autoestima da criança proporcionando a ela bem estar e prazer.

Na Educação Infantil, os jogos e brincadeiras possibilitam às crianças se expressarem através da prática diária de atividades dirigidas que as fazem desenvolver suas capacidades motoras cognitivas e sociais.

Brincar é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. O fato de a criança, desde muito cedo, poder se comunicar por meio de gestos, sons e mais tarde representar determinado papel na brincadeira faz com que ela desenvolva sua imaginação. Nas brincadeiras as crianças podem desenvolver algumas capacidades importantes, tais como a atenção, a imitação, a memória, a imaginação. Amadurecem também algumas capacidades de socialização, por meio da interação e da utilização e experimentação de regras e papéis sociais (RCNEI 1998, p.22).

Percebe-se que, estimular o uso de brinquedos e jogos que favoreçam uma maior interação entre as crianças, permite que elas se comuniquem com outras pessoas expressando suas angústias e alegrias. Brincar é também uma das formas de socialização que se propõe na escola, pois brincando as crianças aprendem a conviver em sociedade.

Segundo Vygotsky (1994),

A brincadeira tem um papel fundamental no desenvolvimento do próprio pensamento da criança. É por meio dela que a criança aprende a operar com o significado das coisas e dá um passo importante em direção ao pensamento conceitual que se baseia nos significados das coisas e não dos objetos. A criança não realiza a transformação de significados de uma hora para outra (p.54).

Assim, o educador deve incentivar e inovar nas brincadeiras e jogos, desenvolvendo atividades onde cada um possa criar, através da fala, dos gestos, das palavras e do próprio corpo, procurando sempre valorizar a expressão individual de cada um.

Através das interações que acontecem entre as crianças, nas brincadeiras e jogos, desenvolve-se o respeito e a construção do conhecimento social, físico e cognitivo, estruturando sua inteligência e interação com o meio em que está inserida.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

a) Análises a partir das observações

Ao realizar Estágio Supervisionado junto aos alunos da Pré-Escola Girassol, foi possível perceber, ao longo das cinco semanas de trabalho, que os alunos participaram de diversas atividades focadas em jogos e brincadeiras. Dentre as atividades que foram realizadas com os alunos destacam-se: ovo choco, jogo da memória, dança das cadeiras, quebra cabeça e telefone sem fio. O objetivo de se utilizar essas atividades durante as práticas diárias foi aliar os jogos e brincadeiras às demais atividades propostas proporcionando aos alunos uma aprendizagem prazerosa, pois

o brincar é fundamental para o nosso desenvolvimento. É a principal atividade das crianças quando não estão dedicadas às suas necessidades de sobrevivência (repouso, alimentação, etc.) (MACEDO, PETTY & PASSOS, 2005, pág.13).

Durante as atividades propostas os alunos se mantiveram interessados e atentos. A escola oferece infraestrutura adequada à realização de atividades lúdicas, pois conta com ginásio de esportes, bolas de futsal e vôlei, bambolês, cordas, aparelho de som, pátio amplo com parte de proteção solar e quadra de areia. Notou-se que, de todos os espaços, a quadra de areia foi a mais bem aceita pelas crianças que demonstraram prazer e entusiasmo em realizar atividades naquele local.

Quando as crianças eram estimuladas através de momentos lúdicos como a brincadeira de morto e vivo, jogos com bola, amarelinha e ovo choco, era possível perceber uma interação livre e espontânea entre elas, demonstrando satisfação na realização das atividades.

Na Educação Infantil, as crianças se relacionam e trocam conhecimentos através das brincadeiras e atividades que realizam juntas. Vygotsky (1992), afirma que a construção de aprendizagem sempre inclui relações entre pessoas. Por isso, cabe ao professor promover ações que propiciem a troca de saberes entre as várias culturas que circulam pelo espaço da sala de aula. Através dos jogos e brincadeiras, as crianças estão aprendendo e se relacionando com as demais em um momento de alegria e descontração.

O brincar é a atividade principal do dia a dia para as crianças. Pois neste momento a criança toma decisões, expressa sentimentos, valores, conhece a si, os outros e o mundo, repete ações prazerosas, partilhar brincadeiras com o outro, expressa sua individualidade e identidade, explorar o mundo dos objetos, das pessoas, da natureza e da cultura para compreendê-lo, usar o corpo, os sentidos, os movimentos, as várias linguagens para experimentar situações que lhe chamam a atenção, solucionar problemas e criar. Mas é no plano da imaginação que o brincar se destaca pela mobilização dos significados. Enfim, sua importância se relaciona com a cultura da infância que coloca a brincadeira como a ferramenta para a criança se expressar, aprender e se desenvolver. (KISHIMOTO,2010 pág.1)

Nos momentos de brinquedo livre, em sala de aula, podiam-se perceber algumas preferências dos alunos por brinquedos específicos como cavalinhos, jogos de memória e carrinhos. Como nem sempre havia esses brinquedos disponíveis em quantidade suficiente para que todos pudessem brincar ao mesmo tempo, era necessário, em determinadas situações, a intervenção da professora. Esta se mostrava dinâmica em relação os alunos obtendo deles as respostas e o respeito necessário durante suas intervenções. Na maioria das situações, após a intervenção da professora acontecia a troca de brinquedos entre as crianças de modo que todos pudessem brincar um pouco com cada um.

Na Educação Infantil a criança deve brincar e interagir com os demais, pois neste momento da brincadeira a criança se desenvolve e constrói seu conhecimento de mundo.

[...]No brinquedo, a criança sempre se comporta além do comportamento habitual de sua idade, além do seu comportamento diário; no brinquedo é como se ela fosse maior do que ela é na realidade. Como no foco de uma lente de aumento, o brinquedo contém todas as tendências do desenvolvimento sob forma condensada, sendo ele mesmo uma grande fonte de desenvolvimento. (VIGOTSKY, 2007, p.134).

Para Vigotsky (2007), no brinquedo acontecem as maiores aquisições de uma criança, e são elas que se tornarão, no futuro, seu nível básico de ação real e moralidade.

Desse modo o professor da Educação Infantil deve valorizar a cada dia as brincadeiras e jogos no ambiente escolar, dando liberdade à criança para a exploração de novos conhecimentos.

b) Análises a partir das entrevistas

As entrevistas foram realizadas com duas professoras, 23 alunos e com a diretora da escola. A coleta foi feita por meio de perguntas e respostas anotadas manualmente. Cada professora foi entrevistada separadamente. As respostas dos alunos foram coletadas, em sua maioria, durante a realização das atividades diárias, conforme iam acontecendo as brincadeiras e jogos. As perguntas iam sendo feitas em paralelo a ocorrência dos jogos e brincadeiras e posteriormente anotadas em registros diários. Após eram analisadas tais anotações e trazidas para discussão as respostas mais frequentes entre os alunos. A partir das respostas obtidas organizou-se as análises que seguem.

Os professores, quando questionados sobre a importância dos jogos e brincadeiras na Educação Infantil, afirmaram que:

Desenvolvem o raciocínio lógico e o desenvolvimento integral dos educando[...] Para os alunos as brincadeiras e jogos preferidos são o futebol e as demais brincadeiras realizadas no ginásio de esportes.(PROFESSORAS A E B)

Em relação à pergunta: Com que frequência e em que situações são utilizados jogos e brincadeiras, obteve-se as seguintes respostas das docentes:

Todos os dias têm um momento disponibilizado para realizar atividades lúdicas com os alunos. Situações: se a aula que você esta ministrando ocorre de fazer brincadeiras e jogos eles são utilizados. Mas os jogos principalmente no final de semana para dar encerramento às atividades do projeto.(PROFESSORA A)

Eu uso jogos e brincadeiras todos os dias. Procuro usa-los de acordo com o conteúdo que esta sendo trabalhado tento adaptá-los conforme a necessidade. (PROFESSORA B)

Acredita-se que, se o professor organizar seus planejamentos voltados para a realização de jogos e brincadeiras, as crianças podem ser estimuladas diariamente sem ter necessidade de aliar algum conteúdo para aplicar os jogos. A brincadeira por si só pode oferecer à criança aprendizagens que são intrínsecas a ela independentemente de outros conteúdos que vem a associar-se.

Quando questionados sobre os jogos serem educativos ou não e o porquê de suas respostas, responderam que:

Sim. Porque desenvolvem o raciocínio lógico, a percepção visual, auditiva, tátil...e o desenvolvimento integral porque os alunos aprendem jogando.(PROFESSORA A)

Acredito que são muito educativos, pois possuem regras que devem ser seguidas e isto leva as crianças a se esforçarem para ganhar ou ser melhor e não ficar sem participar. (PROFESSORA B)

Sim.porque são auxiliares na aprendizagem e trazem para o cotidiano do alunos mais prazer ao aprender. (DIRETORA)

Nas respostas observa-se que todos os professores usam, no seu cotidiano, os jogos e brincadeiras como instrumentos para auxiliarem na aprendizagem e desenvolverem seus conteúdos. Entretanto, o brincar na educação infantil não precisa necessariamente ser auxiliar de outras aprendizagens. A criança precisa brincar porque precisa brincar, ou seja, ela não brinca com a responsabilidade de aprender alguma coisa, a criança brinca porque é uma atividade que ela realiza com prazer em que ela se revela e desenvolve suas habilidades nas atividades que executa.

Já na terceira questão os professores citaram algumas das brincadeiras que gostam de realizar para trabalhar os conteúdos.

Brincadeiras como após ouvir e recontar uma historia,dramatizar usando roupas diferentes que não se referem a historia ,ouvir uma historia e após criar movimentos variados com o próprio corpo.Cores após trabalhadas com varias atividades os alunos tiram de uma caixa surpresa pequenos objetos coloridos e vão dizendo aos colegas os nomes das cores,após criar desenhos ou formas variadas.Belo anel,ovo choco,bilboquê,telefone sem fio,dança das cadeiras.. (PROFESSORA A)

Gosto das brincadeiras que podem ser feitas no pátio ou no Ginásio como: jogos de bola, atividades com comandos diferentes/variados, brincadeiras com cordas, bamboles, pés de lata etc...(PROFESSORA B)

Ao analisar as respostas das professoras observou-se que as mesmas utilizam vários tipos de brincadeiras e jogos no dia a dia e compreendem a importância de aliar as brincadeiras e jogos ao aprendizado das crianças. Essas atividades trazem muitos benefícios, mas as professoras dizem que trabalhar com jogos e brincadeiras, exige que o professor se prepare com mais tempo e procure mais recursos para aliar o brinquedo ao conteúdo que está sendo trabalhado no momento.

Percebe-se com isso que a falta de um planejamento mais elaborado dificulta a dinamização de jogos e brincadeiras no cotidiano da escola. As professoras, por motivos intrínsecos a seus contextos de vida, formação e trabalho, em geral, planejam suas aulas mais focadas no ensino tradicional com atividades repetitivas como a leitura de livros para as crianças onde após esta, elas devem realizar tarefas como desenhar, pintar, recortar e colar.

Assim, evidencia-se a necessidade de uma maior dedicação, por parte dos professores, à construção de planejamentos que priorizem atividades lúdicas e deixem um pouco de lado o ensino meramente expositivo.

Quando questionados sobre o que mais agrada aos alunos e lhes chama atenção, obtiveram-se as seguintes respostas:

Todas as brincadeiras eles gostam. As que mais chamam atenção são as que possuem movimentos e sempre com musicas. (PROFESSORA A)

O que mais agrada aos alunos são brincadeiras dirigidas e dinâmicas,brincadeiras livres na areia e no ginásio.(PROFESSORA B)

Eu adoro brincar de bola. (ALUNO A)

Eu gosto de pular corda. (ALUNO B)

Todos os entrevistados entre alunos e professores gostam de atividades lúdicas e assim percebe-se que “o brincar é agradável por si mesmo, aqui e agora.” (MACEDO, PETTY &PASSOS, 2005, pág.14).

As brincadeiras e jogos proporcionam momentos de prazer às crianças, pois brincando, aprendem como se desenvolver..Os jogos sempre foram experiência de troca do conhecimento e ao brincar elas se relacionam e aprendem a se respeitar no contexto escolar. (Ibid,,2007,pág. 31)

Percebe-se uma forte ligação entre o jogo, a aprendizagem e o prazer que a criança demonstra ao jogar. “O jogo aumenta o aprendizado, garante a diversão num contexto que reúne não só prazer e fantasia, mas também regras”. (REVISTA NOVA ESCOLA, 2007, pág.28)

Nas brincadeiras as crianças são capazes de se relacionar e desenvolver suas capacidades, facilitando ao educador avaliar cada criança em sua totalidade, através de seus movimentos e ações ao interagir com os demais.

Desse modo, cabe ao educador saber explorar e organizar os espaços, disponibilizando às crianças os materiais que possam facilitar sua aprendizagem através dos jogos e brincadeiras. Ao organizar esses espaços o educador já deve ter em mente o que e como vai auxiliar as crianças, possibilitando às mesmas a construção de sua própria autonomia.
Outro questionamento feito às professoras foi sobre o interesse dos alunos em relação às brincadeiras. A professora A, afirmou que: “O interesse é muito grande e eles pedem quando a professora não sugere as mesmas”.

Já a professora B, disse que: “os alunos solicitam muito, todos os dias para que tenha o tempo para brincar independente do que for ser atividade”.

Percebe-se que os alunos solicitam diariamente que se tenha o momento das brincadeiras e jogos, pois elas esperam por este momento de prazer e de aprendizagens diferenciadas. Isso justifica a necessidade de introduzir os jogos e brincadeiras no cotidiano das crianças para que as mesmas possam aprender e brincar ao mesmo tempo.

Sobre a escolha das brincadeiras e jogos as professoras disseram que:

Às vezes se dá conforme a atividade que esta sendo desenvolvida é a professora e as outras são os próprios alunos que escolhem o que querem brincar.(PROFESSORA A)

Costumo dirigir geralmente a hora de brincar e o que brincar,também tem um dia por semana no qual eles escolhem do que querem brincar e jogar.(PROFESSORA B)

Percebe-se que as professoras costumam escolher as brincadeiras e jogos que serão realizados, mas oferecem aos alunos em alguns momentos em que eles possam também expor suas escolhas. Assim, em geral, quem orienta as brincadeiras e jogos são as professoras, que o fazem, quase sempre, pensando em brincadeiras que proporcionarão melhores aprendizagens. Contudo, deixam claro que, em determinados momentos, permitem aos alunos brincarem do que eles têm vontade, proporcionando assim satisfação em ambas as partes. Segundo o documento Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil:

A intervenção intencional baseada na observação das brincadeiras das crianças, oferecendo-lhes material adequado, assim como um espaço estruturado para brincar permite o enriquecimento das competências imaginativas, criativas e organizacionais infantis. Cabe ao professor organizar situações para que as brincadeira ocorram de maneira diversificada para propiciar às crianças a possibilidade de escolherem os temas, papéis, objetos e companheiros com quem brincar ou jogos de regras e de construção, e assim elaborarem de forma pessoal e independente suas emoções, sentimentos, conhecimentos e regras sociais. (BRASIL, 1998, v. 1, p. 29).

Outro questionamento realizado foi se o professor recebe capacitação para aperfeiçoar seu desempenho na sala de aula com os alunos.

Sim recebemos anualmente cursos de aperfeiçoamento.(PROFESSORA A)

Recebemos alguns cursos de capacitação e aperfeiçoamento para o nosso trabalho, mas o mais importante é eu me dispor a buscar atividades novas, interessantes dentro da minha realidade escolar e desacomodar,não ter preguiça ou medo de por em pratica. (PROFESSORA B)

As professoras recebem cursos de aperfeiçoamento e demonstram ter interesse em formações que foquem a questão dos jogos e brincadeiras. O que talvez impeça uma efetiva implementação de práticas mais lúdicas em sala de aula seja justamente a falta de tempo e de motivação para organizar e planejar os melhores meios de aplicar os jogos e brincadeiras no cotidiano das aulas da educação infantil.

Através das brincadeiras e jogos as crianças são estimuladas tanto no seu crescimento intelectual como pessoal. Compreende-se, assim, que se o professor buscar meios e diferente maneiras de desenvolver os jogos e brincadeiras em sala de aula estará proporcionando aos alunos satisfação ao aprender e brincar.

Como último questionamento foi trazida a discussão de como um jogo pode ser considerado educativo. Para a professora A, é “quando ele vem auxiliar no desempenho e desenvolvimento do educando”. Para a professora B,

os jogos educativos são todas aquelas atividades que despertam no aluno o interesse, o gosto e o prazer de vir a aula e aprender de uma forma prazerosa aquele conteúdo em estudo. São educativos pois precisam cumprir normas, alcançar os objetivos propostos, despertar o gosto pelo estudar e são uma forma de aprender limites e controle emocional.(PROFESSORA B)

Percebe-se assim que as professoras compreendem que os jogos são educativos, independentemente da forma como são desenvolvidos. CLAPARÉDE (1956) apud KISHIMOTO (1993) faz referência a isso afirmando que todos os jogos são, por sua própria essência, educativos.

Ao final desta análise pode-se perceber que os professores são sabedores da importância de aliar os jogos e brincadeiras ao seu cotidiano de trabalho. Deste modo, torna-se papel dele próprio buscar utilizar, em seu cotidiano jogos e brincadeiras como aliados no processo ensino aprendizagem. Isso, porém, requer que os mesmos disponham de tempo, interesse, materiais adequados e também incentivos para tal.

Considerações Finais

A presente investigação teve por objetivo apresentar algumas constatações e problematizações que envolvem o tema Jogos e Brincadeiras na construção das aprendizagens de crianças da Educação Infantil. Ao final deste trabalho, pode-se afirmar que os mesmos são importantes para o aprendizado das crianças. Contudo, nem sempre se fazem presentes no cotidiano das escolas, pois exigem planejamentos mais elaborados e demandam mais tempo e envolvimento por parte do professor.

Constatou-se, por meio das entrevistas, que os docentes compreendem a importância dos jogos e brincadeiras para o desenvolvimento das aprendizagens, sendo considerados educativos justamente por contribuírem para o desenvolvimento integral do aluno. Contudo nem sempre os apresentam aos alunos por compreenderem que ações como esta demandariam mais tempo e dedicação na elaboração dos planejamentos.

Percebe-se assim que o professor deve planejar, incluir os jogos e brincadeiras nas atividades cotidianas de modo a tornar as aulas mais dinâmicas e atrativas para os alunos.

Os jogos e brincadeiras são atividades que identificam os seres humanos em diferentes espaços e tempos, contribuindo para a construção da vida social e coletiva, fortalecendo a prática social e criando laços de solidariedade entre os sujeitos que delas participam.

Portanto, ao final desta pesquisa, observando as aulas e entrevistando professores e alunos, pode-se constatar que há um reconhecimento sobre a importância dos jogos e brincadeiras na construção das aprendizagens das crianças da educação infantil. Nisso reside a relevância desta pesquisa para a Educação, e em especial, para a Educação Infantil. Com este estudo evidenciou-se a crescente necessidade de inserção dos jogos e brincadeiras na escolarização das crianças, pois por meio deles é possível construir aprendizagens mais significativas e conectadas aos reais anseios e necessidades da criança.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMBIENTE MOODLE. Material Disponível na disciplina de Pesquisa em Educação III – Bases Metodológicas. Consulta realizada em 24 de outubro de 2012, às 16:00 horas.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF,1998. v. 1 - 3.

GIL, A.C.Como elaborar projetos de pesquisa.São Paulo: Atlas, 2008

KISHIMOTO, T.M.. Jogos infantis: o jogo, a criança e a educação.Petrópolis,RJ: Vozes,1993

MACEDO,L.SÍCOLI, A.L, CHRISTE, N. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar.Porto Alegre: Artmed, 2005.

NOVA ESCOLA. Revista de_Educacao_infantil. Edição Especial nº 15, Agosto, 2007.

QUEIROZ, T. e MARTINS, J.L. Jogos e Brincadeiras de A a Z. EDITORA Rideel2002.

QUEIROZ, T. D..Dicionário Pratico de Pedagogia. 1.ed. São Paulo: Rideel,2003

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

VYGOTSKY, L.S. e LEONTIEV, ALEXIS. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Edusp,1998.

TAILLE, Yves de L., OLIVEIRA, M. K., DANTAS, H., Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em discussão. Pág. 23-36, São Paulo, ed. Summus, 1992.

Participação: Nenhum Comentário

Avaliação:

  • Atualmente 3.00/5

Se você quer comentar também Clique aqui

Compartilhe ou guarde este conteúdo

Mais Matérias de Pedagogia

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98).

R7 Educação