Publicidade

Acesso Restrito

Brinquedoteca: a importância do Cantinho Lúdico

Por: ANA MARIA DE PAULA E SILVA

RESUMO

Este artigo vem mostrar a importância de se criar cantinhos na educação infantil e nos anos iniciais, pois a sala deve ter um ambiente prazeroso para desenvolver todas as habilidades. A finalidade também é de mostra como foi a semana de recreação realizada com as crianças entre quatro e doze anos de idade das turmas do Pré III, e 1º, 2º, 3º, 4º e 5º anos. Com brincadeiras tradicionais, modernas, brinquedos pedagógicos, filmes, leituras, informática e oficinas. Brincar e interagir com as crianças são experiências agradáveis e incomparáveis com qualquer outro tipo de atividade já realizada durante o curso de Pedagogia. Lúdico deve ser uma ferramenta de auxilio ao professor no processo ensino-aprendizagem e não pensar que irá atrapalhar na questão do uso das brincadeiras, buscar o laboratório de informática da escola para o processo ensino-aprendizagem também é valido, na socialização e trabalhar a pesquisa coletiva de algum tema escolhido pelo professor, à inclusão digital dos alunos nos dias atuais é interessante.

Palavras-chave: Lúdico; Aprendizagem; informática; Atividades; Oficinas.

INTRODUÇÃO

A brincadeira é uma atividade voluntária e consciente, é uma forma de atividade social infantil onde a característica é a imaginação os e diversos significados da vida, favorece uma ocasião educativa única para a criança. Sendo assim, é através da brincadeira que a criança representa o discurso externo e o interioriza construindo o seu próprio pensamento, desenvolvendo assim suas potencialidades.

Neste sentido a brinquedoteca assume uma grande responsabilidade, pois é um espaço onde a criança passa a vivenciar situações do seu cotidiano e a criar e desenvolver sua própria personalidade, valores, ética e atitudes diante outras criança.

O espaço utilizado foi uma sala de aula ampla e arejada onde decoramos e dividiu-se em dois ambientes um com painel recheado de personagens infantis e conhecido por eles onde brincava, jogava e desenhava. Outro o cinema com carpete, almofadas e televisão com DVD para assistir filme e ouvir historinha contada pelas acadêmicas.

Agendou-se o dia para usar o computador para os alunos do 5º ano com jogos educativos que também e uma forma de interagir escola, alunos em atividades educativas e inteligentes. Foram trabalhadas as brincadeiras que desenvolvem a noção de espaço, lateralidade e a coordenação motora e ainda a interação com o grupo e tantas outras habilidades.

1 A NECESSIDADE DE BRINCAR

Enganam-se pessoas que acham que brincar está relacionado só no pré-escolar, ela deve se estender e perpetuar no ensino fundamental com brincadeiras adequada a faixa etária de idade.

O lúdico deve ser visto como algo favorável e imprescindível à necessidade do ser humano e facilita muito o professor conhecer, observar, saber suas potencialidades, limitações e desenvolverá seu senso critico, terá atitude de pesquisador sobre os seus alunos.

Verificou se que os professores não se utiliza e nem trabalha com o lúdico por falta de base teórica sobre o assunto e ficam inseguros em colocá-los em pratica, apesar de ter vários exemplos comprovados e reconhecidos o valor das atividades lúdicas.

Os cantinhos são interessantes, muito simples de se criar e principalmente enriquecedor para estímulos e descobertas. Sala bem decorada e com cantinho preparado pra elas mostra o quanto eles são importante e a preocupação do bem estar, alem de ser bonito e aconchegante.

Cunha (2001, p. 15 e 16) afirma que,

[...] a brinquedoteca é um espaço criado para favorecer a brincadeira, [...] aonde a criança (e os adultos) vão para brincar livremente, com todo o estímulo à manifestação de potencialidades e necessidades lúdicas”. E ainda, “muitos brinquedos, jogos variados e diversos materiais que permitem expressão da criatividade”. Desta forma, a autora disserta que a brinquedoteca propicia a construção do saber, sendo uma “deliciosa aventura, na qual a busca pelo saber é espontânea e prazerosa.

Se a criança também aprende brincando então é um fundamental que todas as crianças, possam ter oportunidades educativas voltadas para satisfazer suas necessidades básicas de aprendizagem na construção do conhecimento e interação com os outros.

Ainda segundo Carvalho:

Proponho que a sala de leitura seja um local de consulta, de estudo e de entretenimento para a comunidade escolar; seja dirigida por uma professora especializada, em tempo integral, cujo trabalho possa ser articulado com as atividades de sala de aulas; deve estar localizada em um espaço próprio, amplo, atraente e agradável, que ofereça condições satisfatórias para guardar do acervo e de conforto para os eleitores. Essas transformações dependeriam de recursos financeiros? Sim, mas não se pode oferecer educação de qualidade a preço vil. (2008, p.83).

Infelizmente todo o projeto requer dinheiro no caixa para colocar em prática ou de parceiros que acredita na proposta de inovação e ousada, diante de tantas cobranças na saúde, educação, moradia e ajustes nos salários dos profissionais da educação. Muitos olham como um capricho e não uma necessidade e a importância de se criar uma sala específica para leitura e brinquedoteca.

Segundo Maluf;

As crianças têm um interesse natural em descobrir as coisas Curiosas, são capazes de passar um bom tempo observando tudo e vivem fazendo perguntas sobre o que percebem e vivenciam, Na Educação Infantil, a criança não deve somente absorver conteúdo, mas desenvolver habilidades, atitudes, formas de expressão e de relacionamento. Ela deve ser estimulada não só observar, mas também a agir sobre o meio em que vive, investigando, experimentando, refletindo, redescobrindo e desenvolvendo a capacidade de pensar, comparar e concluir. (2009, s/n.).

O educador muitas vezes se preocupa como planejar, organizar e executar as atividades proposta. Esquecendo de observar se o tempo esta de acordo com cada atividade e sua avaliação, porque o que importa de fato é o aprendizado dessas crianças e ensinar a gostar do lúdico em grupo.

Atividades realizadas durante a semana de recreação:

·        Segunda-feira trabalhamos com o Pré III e 1º ano no período matutino as seguintes atividade: Brinquedos pedagógicos, brincadeiras com bola, cartolina com os pés sujo de tintas, Historinhas e desenho educativos e finalizou com relaxamento com musica suave;

·        Terça-feira 2º ano Brincadeiras com fantasias de palhaço, Pintura livre e com desenhos prontos e musicas;

·        Quarta-feira 3º ano Audiovisuais filme depois, levamos para quadra e brincou de Barra Manteiga, Pula corda; finalizando com relaxamento;

·        Quinta-feira 4º ano Jogos; Quebra-cabeça, Jogo da memória, leitura filme, quadra para jogar bola, finalizando com relaxamento;

·        Sexta-feira 5º ano Laboratório de informática jogos educativos, Confecção de pinturas em prato de papelão, Brincadeiras livres na quadra primeiro alongamento e finalizando com alongamento.

2 A DEFINIÇÃO DO BRINQUEDO NO DESENVOLVIMENTO

A definição do brinquedo para cada criança é de se identificar e ao mesmo tempo se desenvolver tanto emocional e motor onde para alguns tem prazer em brincar com determinado brinquedo aumentado o interesse pela brincadeira ou mesmo realizar certos tipos de brincadeiras já outras nem tanto pelo fato de não aceitar perder que acompanhado do desprazer de brincar em competições.

Porém se ignoramos a necessidades das crianças e os incentivos que são eficazes para colocá-la em ação, nunca seremos capazes de entender seu avanço de um estágio do desenvolvimento para outro, porque todo avanço esta conectado com uma mudança acentuada nas motivações, tendências e incentivos.

A maturação das necessidades é um tópico predominante nessa discussão, pois é impossível ignorar que a criança satisfaz certas necessidades no brinquedo. Se não entendermos o caráter especial dessas necessidades, não podemos entender a singularidade do brinquedo como uma forma de atividade.

As brincadeiras funcionais podem ser movimentos muito simples, como estender e encolher os braços ou as pernas, agitar os dedos, tocar objetos, imprimir-lhes em balanço, produzir ruídos ou sons.

É fácil reconhecer nelas uma atividade em busca de efeitos que dissemos ter uma importância fundamental para preparar a utilização calculada, cada vez mais apropriada e diversificada de nossos gestos. Com as brincadeiras faz de conta, cujo exemplo típico é brincar de boneca, montar de cavalo um cabo de vassoura como se fosse um cavalo, brincar de escolinha, brincar de enfermeira, de fazer comidinha etc.

Mas o período que se segue a sua maturação e que precede a dos centros aos qual sua atividade deverá se sujeitar é um período de livre exercício.

Efetivamente, cada uma das etapas que o desenvolvimento da criança percorre esta marcada pela explosão de atividade que parecem por certo tempo quase totalmente toma conta dela e cujos efeitos possíveis ela não se cansa de perseguir.

A progressão funcional marcada pela sucessão das brincadeiras durante o crescimento da criança e regressão no adulto, mas regressão consentida e de certa forma excepcional. Pois não há apenas desintegração global de sua atividade em relação ao real. É muitas vezes entre obrigações diárias que o jogo libera as atividades.

Disso resultaria que todas aquelas “brincadeiras” das crianças, que são a primeira exploração das funções, mas recentemente surgidas, não poderiam ser chamada de brincadeiras porque ainda não existe nenhuma que poderia integrá-las a forma superior de ação.                                                  

Concordamos com Vigotski, ao falar do brinquedo, a criança projeta-se nas atividades adultas de sua cultura e ensaia seus futuros papeis e valores. Assim o brinquedo antecipa o desenvolvimento; com ele a criança começa a adquirir a motivação, as habilidades e as atitudes necessárias a sua participação social, a qual só pode ser completamente atingida com a assistência de seus companheiros da mesma idade e mais velhas.

Segunda Vigotski:

Para estudar o desenvolvimento na criança, devemos  começar com a compreensão da unidade dialética das duas linhas principais e distintas (a biológica e a cultural). Para estudar adequadamente esse processo, então o investigador deve estudar ambos os componentes e as leis que governam seu entrelaçamento em cada estágio do desenvolvimento da criança. (2010, p. 152)

É através da sua cultura é que podemos visualizar a linha de suas tradições para iniciar uma ligação ou laço de desenvolvimento e afetividade com a criança auxiliando em cada estágio do desenvolvimento dessa criança.

3 AFETIVIDADE

Entre a emoção e a atividade intelectual, mesma evolução e a mesma competição. Antes de qualquer análise, os sentidos de uma situação se empoem pelas atividades que desperta desenvolvimento psíquico, essa intuição e de comparação. É uma forma de compreensão, que ainda não dominada pelo interesse do momento e comprometimento com os casos particulares.

No domínio da afetividade, transformações são resultados de vários conflitos anteriores resolvidos, com maturação e afetividade parece ser coisa de adulto, mas não é verdade, pois a criança também tem essa assimilação de emoção e sentimento ou paixão, quando de uma para outras ocorre uma transferência de carinho, ternura e acabar aprendendo a ser solidários.

O brinquedo ou brincadeira ajuda a criança com dificuldades de aprendizagem, e deixa - as descontraídas e mais afetivas principalmente, a ausência de cobrança imposta ou que caracterizam o ambiente de uma brinquedoteca, fazem com que elas manifestam as capacidades que em clima de tensão não mostraria ou não conseguiriam se manifestar. Ao brincar em grupo elas se organizam e socializam entre si aprende a respeitar regras, cumpri normas tanto no espaço enquanto brinca e até os sentimentos dos outros colegas.

Vale ressaltar que é de suma importância respeitar o tempo dessa criança querer brincar sozinha para se reconhecer e ter as possibilidades de lidar com a sua afetividades emocional de formas variadas e descobrir os seus gostos e interesses particular.

Segundo Ziraldo (2003, p.29) “As velhas professoras não entendiam nada. “Os alunos dela acham melhor ficar na sala do que brincar no recreio” E repetiam: Esta menina é mesmo muito maluquinha.”

            Os alunos gostavam tanto da aula dessa professora que não sentia falta do recreio, pois a professora estimulava a imaginação das crianças ou de seus alunos na sala de aula. Ela não tinha castigo. Tinha julgamento. Se algum aluno fizesse algo errado era convocado o júri onde os personagens eram os alunos. Certo dia aconteceu uma acusação de um determinado aluno, então foi convocado o corpo de jurados.

Segundo ainda Ziraldo, a defesa do Júri (2003, p.30)

Prezada Professora

Nós achamos que o wanderson não tem culpa nenhuma. Desculpe se agente já começou logo com a sentença assim no começo da defesa mas coitadinho do o wanderson. Como é que ele ia saber que tinha um ovo de passarinho no banco da carteira? Não é verdade que o wanderson pegou o ovinho no ninho e veio com ele dentro do bolso para sala. Professora desculpe, mas menino não é burro e sabe que não  dá pra carregar o ovo no bolso. Ainda mais no bolso de trás. Também não foi ninguém que pois o ovo lá. Foi o passarinho mesmo que entrou na sala e botou o ovo lá no banco. O wanderson só fez sentar em cima e ai fez aquela lambança não foi bagunça. Sendo assim pedimos continua...

O Ziraldo (2003) quis mostrar que a imaginação da criança é além daquilo que os adultos possa pensar ou imaginar, na sua defesa o Júri teve pena do colega e não pensou duas vezes para justificar o que aconteceu , claro da forma deles mas ai é que esta a mora da história, a professora sobe tirar aproveito disso. Você imagina foi uma aula de produção de texto ensinou ser solidário e mostrou  a indignação  dos coleginhas de sala pela acusação.

4 BRINCADEIRAS E BRINQUEDOS

Uma das peças importantes no processo educativo da criança é através delas que possibilita e é possível trabalhar os conteúdos afetivos, despertar o interesse nos conhecimentos e a sociabilidade.

Neste momento pode estabelecer e informar com muita clareza aos alunos as regras, limites e consequentemente dos atos praticadas e eles se tornam mensageiros a vossa família, ao ensinar algo positivo á crianças ela levara por toda uma vida.

O ato de aprender é talvez a mais remota habilidade humana, mas a conciliação de construir conhecimentos e da ética de aplicar nos dias atuais é um dos principais desafios na educação.

O brincar a criança não esta apenas um mero passatempo, ela ajuda no seu desenvolvimento conectivo, motor e descoberta do mundo.

É possível superar os problemas existentes e oferecer melhores condições de desenvolvimento ás crianças, abrindo um leque de informação e a valorização o espaço e as oportunidades de brincadeiras.             A brincadeira traz vários benefícios para criança dentre elas a motricidade, saúde, socialização, felicidades e superação e algum problema que passou ou esta passando, como um tratamento de saúde ou traumas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este artigo teve como objetivo principal mostrar que o lúdico faz parte do cotidiano da criança, e bem empregado auxilia o ensino fundamental. Aliado a isto a utilização de jogos educacionais e brinquedos pedagógicos podem despertar ainda mais o interesse dos alunos.

Cabe ressaltar que, não pretendemos nenhum momento substituir o professor, e sim agregar valores e servir de apoio a praticas pedagógicas. Despertar a motivação nos alunos através da atividade lúdica, brincadeiras, oficinas e leituras.

Foram executadas algumas brincadeiras previstas no projeto com um bom êxito, vale destacar que alguma meta depende de um espaço próprio e fixo para executá-los.

Futuramente, ao criar o ambiente, pretende-se implantar o projeto na integra para melhor atender as crianças e ainda deixar um ambiente cooperativo e participativo com a colaboração dos professores e estagiários intensificando a aprendizagem e as brincadeiras.

 Acreditando no trabalho com atividades lúdicas através do quais as crianças aprendem e administrar o tempo e construir os conhecimentos através de interações com o meio físico e social em que vive.

A criança passa por processo de crescimento, nas características evolutivas do desenvolvimento infantil, respeitando as necessidades, curiosidades e interesses em cada faixa etária. È possível o professor se soltar e trabalhar as disciplinas associando ao lúdico, de forma que o aluno perceba a importância de levar os estudos com mesmo prazer. As atividades lúdicas têm a função de educar com alegria e satisfação, e traz descontração e entretenimento e as motivar a aprender.

Ao trabalhar este Artigo as acadêmicas aprenderam um pouco o que é ser um professor na pratica, ainda ser humano nos quesitos de entender os alunos e se colocar a disposição dos mesmos. A trocar de experiências entre as acadêmicas e os alunos foi de grande valia para nosso aprendizado e para a vida. Esperamos dar continuidade aos estudos e até uma especialização futura.

Ao realizar um trabalho com amor e dedicação naquilo que se propôs á fazer, terá bons resultados pra todos envolvidos.

REFERÊNCIAS

CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedoteca um mergulho no brincar. 4.ed. São Paulo: ed. Aquariana, 2010.

CARVALHO, Marlene. Alfabetizar e letrar: um dialogo entre a teoria e a pratica 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

HENRI, Wallon, A evolução psicológica da criança. São Paulo: ed. Martins Fontes, 2010.

MALUF, Angela Cristina Munhoz: Atividades lúdicas para educação infantil: conceito, orientações e praticas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

VIDOTSKY, LS, A formação social da mente. São Paulo: ed. Martins Fontes, 2010.

ZIRALDO, Alves Pinto, Uma professora muito maluquinha, São Paulo, ed. Melhoramentos, 2003.


Ana Maria de Paula e Silva[1]

Francisca Aparecida Pinheiro Santos Oliveira
Oraide Corrêa Pinheiro

Profº MsC. Gilmar Dias[2]

[1] Alunos do 8º período do curso de  Pedagogia da FAEL.

[2] Matemático, Pedagogo pela UFPR, Mestre em Educação, Especialista em Educação a Distância, professor do curso de Pedagogia e da Pós-Graduação da FAEL.

Participação: 1 Comentários

Avaliação:

  • Atualmente 3.00/5

Se você quer comentar também Clique aqui

Compartilhe ou guarde este conteúdo

Mais Matérias de Pedagogia

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98).

R7 Educação