Publicidade

Acesso Restrito

Algumas questões sobre a arte na educação infantil

Por: edimar roberto de lima sartoro

“Precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças”.

Pablo Picasso

Arte! O que é arte? Com certeza já ouvimos mães e professoras dizerem: esse menino/menina é muito arteiro/a..., mas será que arteiro tem alguma coisa haver com arte? Bem, arteiro segundo minhas pesquisas significa alguém levado, que faz traquinagens, travesso etc. E a arte? Bem, segundo o AULETE (dicionário digital), e a capacidade e aptidão do ser humano de aplicar conhecimentos e habilidade na execução de uma idéia, de um pensamento. É também uma atividade criadora do espírito humano, que busca representar as experiências coletivas ou individuais através de uma impressão estética, sensorial, emocional, cognitiva, sociais, éticas e estéticas. Bom, então a uma íntima relação entre arte e arteiro. Isso me leva a dizer todo/a artista é arteiro, pois, quão “chatas” seriam as músicas, pinturas, danças, literatura etc, sem a ousadia, a traquinagem. Seria tudo muito monótono quase sem vida.

Assim, a arte é um fenômeno eminentemente humano. Através dela damos sentidos e significados ao mundo que nos rodeia, que apriori estranho e sem sentido, ao poucos, por meio da arte, de suas dimensões simbólicas, ganham poder expressivo de representar idéias através de linguagens particulares, como a literatura, a dança, a música, o teatro, a arquitetura, a fotografia, o desenho, a pintura, entre outras formas expressivas. Deste modo, a arte, vai tornando este mundo que o humano o transformou em um lugar de exclusão e morte em um ambiente mais belo e prazeroso de se viver.

Mas o que tudo isso tem haver com educação e especialmente com a educação infantil? Para responder a esta indagação, farei um breve retrospecto da educação infantil e com base nos dados analisarei o papel da arte, sua importância, seu lugar (se é que ela tem um), e sua relevância.

Na Idade Média, no regime feudalista, a criança era considerada um pequeno adulto, que executava as mesmas atividades dos mais velhos. A partir do século XVI com o advento da burguesia, surgem neste momento duas atitudes contraditórias no que se refere à concepção de criança: uma a considera ingênua, inocente e é traduzida pela paparicação dos adultos; enquanto a outra a considerava imperfeita e incompleta e é traduzida pela necessidade do adulto moralizar a criança. Assim, ainda na sociedade burguesa ela passa a ser alguém que precisa ser cuidada, escolarizada e preparada para uma atuação futura.

Por outro lado a avanços interessantes, na visão de Rousseau a criança não poderia ser meramente considerada como um adulto em miniatura, “mas que ela vive em um mundo próprio cabendo ao adulto compreendê-la.”. Já em meados do século XX com alguns movimentos de renovação pedagógica que caminhavam em direção ao que denominamos “movimentos das escolas novas”, podemos observar assim, algumas sensíveis mudanças. A educação da criança que era extremamente formalista baseada nos estudos tradicionais de livros e textos começava a se voltar para os interesses e necessidades das crianças.

No entanto, a sociedade capitalista, através da ideologia burguesa, caracteriza e concebe a criança como um ser a-histórico, a-crítico, fraco e incompetente, economicamente não produtivo, que o adulto deve cuidar.

No século XX devido ao grande hiato existente entre ricos e pobres surgem as políticas compensatórias para suprir as deficiências de saúde, nutrição, educação e as do meio sócio cultural. Por causa disso, foi instituída a educação pré-escolar (chamada educação compensatória) para crianças de quatro a seis anos e tinha como objetivo suprir as carências culturais existentes na educação familiar da classe baixa a fim de que elas se preparem para um trabalho e tenham oportunidade de ascensão social.

Com relação à criança como sujeito de direitos a Constituição de 1988 faz referência a direitos específicos das crianças e define como direito da criança de 0 a 6 anos de idade e dever do Estado o “atendimento em creche e pré-escola”, e em seu artigo 227 define, mais amplamente, os direitos da infância brasileira:

É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e a convivência familiar comunitária. (p.137).

No tocante a educação infantil a mesma foi acentuada pela LDB Art. 29.

A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. (P.17).

Deste modo, neste pequeno recorte não tem como objetivo abarcar toda a complexidade da temática em foco, pois, não seria possível diante das dimensões deste trabalho, mas apenas captar como eram vistas e pensadas a criança ao longo da história, o papel das instituições de ensino e as políticas publicas, bem como sua influência nos processos pedagógicos na contemporaneidade.

Como vimos, a crianças foram pensadas de muitas maneiras e sempre pela ótica do adulto e pelos mecanismos ideológicos que sempre viram as crianças pelo que elas não eram, sem nunca compreender o que eram.

Portanto, pensar a educação infantil sem mensurar as construções sócio-históricas que foram construídas em torno das crianças é incorrer em possíveis erros.

De acordo com Leão (2008) sendo a escola o primeiro espaço formal onde se dá o desenvolvimento de cidadãos, nada melhor que por aí se dê o contato sistematizado com o universo artístico e suas linguagens: artes visuais, teatro, dança, música e literatura. No entanto, é perceptível que o trato dado à arte (ou o ensino da arte) sempre fica em segundo plano e seu fazer é reduzido a mera atividade de lazer e recreação em um processo extremamente mecânico.

A relevância da arte e seu fazer artístico não se limita ao simples papel recreativo, mas deve ser compreendido como instrumento pedagógico que viabiliza e contribui para o desenvolvimento dos meninos e meninas que ampliam seus olhares em relação ao mundo, seu potencial cognitivo, seu emocional etc, por outro lado também o educador e a educadora precisa acreditar que as crianças são capazes, são criadoras, são sujeitos. Estes meninos e meninas “arteiros” se enxergam como alguém capaz de criar, atribuir sentidos, construir relações, contextualizar, analisar, e comparar aquilo que faz parte de seu cotidiano, através de uma linguagem única: a arte.

Nesta direção, estas crianças se reconhecerão como participantes e construtores de suas próprias aprendizagens e saberes tão necessários à formação humana de cada indíviduo.

Com relação ao como fazer isso dentro da sala de aula ou na escola vai estar diretamentamente atrelado ao que acabei de expor acima. Desse modo os/as educadores/as em primeiro lugar, precisam acreditar nas crianças. Acreditar que elas, mesmo diante das mais diversas dificuldades, tanto de materiais como de recursos humanos são capazes de produzir, de criar, de representar, de pensar sobre.

Sem essa percepção inicial por partes dos/as educadores/as poderemos ter todos os recursos possíveis e o fazer artístico ficará ainda reduzida às atividades de coordenação motora, de passa tempo, de conotação decorativa, etc.

Nesse sentido, a arte não pode reduzir-se num elemento decorativo e festeiro. A arte valoriza a organização do mundo da criança, assim como o relacionamento com o outro e com o seu meio. Estimular o ensino da arte nesta perspectiva tornará a escola um espaço vivo, contribuindo assim para o desenvolvimento pleno de seus educandos.

Referências bibliográficas

BRASIL. Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõem sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto, Márcia Cristina Vaz dos Santos Windt e Livia Céspedes. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

LEÃO, M, R. A Arte no Espaço Educativo. Disponível em:< http://caracol.imaginario.com/paragrafo_aberto/rml_arteduca.html>. Acessado em 24/11/2008.

 

Edimar Roberto de lima Sartoro
edimarsartoro@gmail.com

Participação: Nenhum Comentário

Avaliação:

  • Atualmente 1.00/5

Se você quer comentar também Clique aqui

Compartilhe ou guarde este conteúdo

Mais Matérias de Pedagogia

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98).

R7 Educação