Publicidade

Acesso Restrito

Considerações sobre as concepções Antropológicas e a metodologia de ensino nas escolas públicas da zona urbana de Petrolina

Por: Erico cristiano Alves Barbosa

Resumo

Concepções de homem e a metodologia de ensino nas escolas públicas. O artigo procura mostra uma versão das concepções de homem encontrar no ensino público da zona urbana de Petrolina.

Palavra chave: concepções Antropológicas e metodologia de ensino.

1 Introdução

Neste artigo, procuramos tecer algumas considerações sobre as concepções antropológicas presente no ensino público da zona urbana de Petrolina.

2 As Concepções Antropológica

2.1 A Concepção Metafísica

De acordo com ARANHA (1994) abordagem metafísica prima-se por buscar a unidade na multiplicidade dos seres. Mesmo tendo tantas diferenças entre os seres humanos, existiria uma essência humana, um modelo as ser atingido à medida que se dá o amadurecimento. Por desdobramento, a educação passa a ser compreendida como um processo de aperfeiçoamento em que o indivíduo é levado a realizar suas potencialidades ou, parafraseando Kant, o fim da educação é desenvolver em cada indivíduo, toda a perfeição de que ele seja capaz.

2.2 A concepção Naturalista

Do bojo da concepção de ciência gestada ao longo do período moderno preocupada em perceber regularidade na natureza, levando à formulação de leis e, portanto à previsibilidade dos fenômenos a busca da compreensão a respeito do que é o homem também procurará atender aos mesmos critérios da ciência.

Descarte parte de um dualismo psicofísico onde a substância pensante (mente) tem primazia sobre a substância extensa (corpo). Posteriormente, a psicologia experimental privilegiará no homem apenas a exterioridade do comportamento, deixando a consciência entre parêntesis por considerá-la inacessível aos procedimentos considerados científicos.

2.3 A Concepção histórico-social

O romantismo alemão do séc. XVIII propõe uma ruptura com o modelo cientificista predominante nas teorias pedagógicas existentes na época. Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) provoca uma grande revolução na pedagogia na medida em que desloca o centro tradicional do processo fixado no mestre, para o discípulo. Mais ainda, coloca o sentimento cuja sede é o coração ou a consciência moral no centro de sua visão do homem.

Hegel (1770-1831) dá mais uma contribuição ao processo de construção da filosofia romântica, pois, ao desenvolver a filosofia do devir; concebe o ser como processo, como vir-a-ser. A dialética colocada como eixo de sua filosofia transforma o conceito de verdade, não mais um fato, uma essência, uma realidade, mas o resultado de um desenvolvimento do espírito.

A própria concepção de contradição como motor interno da história faz com que Karl Marx (1818-1883) inverta o sistema hegeliano e sustente o primado da matéria sobre o espírito, estabelecendo assim a base da construção do materialismo histórico. Só será possível compreender o que os homens fazem e pensam a partir da forma como os homens produzem os bens materiais necessários.

Em síntese, a grande contribuição da concepção histórica social resulta em três aspectos: a preocupação com o processo (nada é estático), com a contradição (não há linearidade no processo) e com o caráter social do engendramento humano (o ser do homem se faz presente nas relações entre os homens ao longo da história).

3 O Ensino nas Escolas Públicas

3.1 Professores de Escolas Públicas

Ao analisar os métodos utilizados pelos professores de escolas públicas constatou-se que a maioria esmagadora é empirista, ou seja, acreditam que o conhecimento é resultante da experiência. Segundo essa pesquisa os professores utilizam predominantemente recursos mínimo, a exemplo do quadro negro e o giz.

Ao avaliar esses professores foi constatado que a maioria deles sofre em decorrência das más condições das escolas, que não apresentam instalações adequadas para o processo de ensino. Sendo assim esses fatores prejudicam o rendimento dos alunos presentes na sala de aula, bem como a pratica docente.

Durante a investigação constatamos os seguintes dados em relação as seguintes perguntas.

O que deseja formar em seus alunos Percentual (%)
Cidadãos 55%
Mercado de trabalho 20%
Não sabem 25%



Quando indagados o que fariam para viabilizar essa formação as respostas foram.

Tornar as aulas mais dinâmicas 55%
Tornar os alunos mais participativos 45%


Ao serem perguntados como ocorre a sua relação com o aluno expressou o seguinte:

Boa 65%
Ruim 32%
Péssima 3%


Em relação aos procedimentos de ensino os mesmos responderam que fazem uso de:

Pesquisa multimídia 38%
Pesquisa com material da escola 49%
Pesquisa com material próprio 13%


A respeito da avaliação

Provas 39%
Trabalho individual ou em grupo 47%
Trabalho extra-classe 14%


Ao analisar esses dados podemos constatar que o rendimento dos professores deve apresentar problemas por conta dos vários fatos aqui destacados.

32 Alunos de Escolas Públicas


Ao avaliar os alunos de escolas públicas foi constatado que a má qualificação dos professores reflete nos alunos, pois os mesmos se espelham nos professores. A pesquisa demonstra que os alunos também têm uma concepção empirista. Vamos o resultado a seguir.

O que esperar do professor?

Professor bem qualificado 85%
Um profissional mais dinâmico 15%


A proposta de trabalho dos professores está de acordo com o desejo dos alunos a resposta forem:

Sim 48%
Não 52%


Como se processa a relação?

Boa 52%
Ruim 48%


Como vocês avaliam os métodos de ensino?

Aprovam 49%
Não aprovam 32%
Não quiseram opinar 19%



 Concordam com o sistema de avaliação?

Estão de acordo 58%
Não estão de acordo 42%


Com base em toda pesquisa podemos fazer uma reflexão sobre toda a escola pública que e alvo principal nesta pesquisa. Apos todo esse estudo foi constatado que muitas coisas precisam ser mudadas para se adequar ao que se julga ideal como ensino de qualidade, pois a má qualificação dos professores e a falta de estrutura nos prédios escolares acarretam numa formação que não atende as exigências do mundo em que estamos inseridos.

3 Considerações finais

Está pesquisa nos permite mostra as concepções antropológicas que no âmbito escolar de suma importância, podemos ressaltar que as concepções antropológicas como no caso da concepção Metafísica que prima pelos deveres da educação que segundo Kant ela teria a finalidade de procurar toda a perfeição que o individuo seja capaz de aprender.

Érico Cristiano Alves Barbosa ¹



Referências

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario, Historia da filosofia:Antiguidade e Idade Media.São Paulo:Paulus,1990

PRESTES, Maria Luci de Mesquita A pesquisa e a construção do conhecimento cientifico. São Paulo: Respel, 2003

CEGALA, Domingos Paschoal. Dicionário escolar de língua portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

ARANHA,Mª Lucia de Arreda.Filosofia da educação.São Paulo:Moderna,1994

Participação: Nenhum Comentário

Avaliação:

  • Atualmente /5

Se você quer comentar também Clique aqui

Compartilhe ou guarde este conteúdo

Mais Matérias de Educação

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98).

R7 Educação