Publicidade

Acesso Restrito

Bullying - Provocações sem limites

Por: Jefferson Batista do Nascimento

Eu gostei muito desse filme, não pelo fato do sofrimento do protagonista, mas sim pelo conteúdo profundo abordado neste filme: o bullying (bully = tiranete ou valentão), palavra de origem inglesa que é expressa na prática por abusos morais ou físicos praticados contra uma pessoa.

O bullying é freqüentemente praticado em ambientes escolares, porém, menos freqüentemente, pode ser também praticado na área do trabalho.

O filme Bullying – Provocações sem limites, ao contrário de ser americano, pois nos Estados Unidos essa ação é praticada há muito tempo e violentamente nas escolas públicas, dentre outras razões, por causa de intriga entre gangues, adicionada a facilidade de manuseio de armas de fogo; esse filme é espanhol, o que nos mostra que na União Européia esse tipo de violência está aumentando, com estatísticas que colocam a Inglaterra em primeiro lugar neste tipo de violência.

No filme o personagem principal é Jordi, que junto com sua mãe se mudam para Barcelona, já que passaram por momentos ruins na cidade anterior.

Jordi no primeiro dia de aula na escola nova se destaca em sua turma, na aula da matemática, o que faz chamar a atenção de um grupo de garotos zombadores. Entre esses garotos está Nacho, que mora no mesmo apartamento de Jordi. Nacho é o garoto que articula as ações de Bullying. Ações degradantes, muito ruins e tristes são sofridas por Jordi, que não conta a ninguém a sua situação, nem a sua mãe, seja talvez, pelo fato dela estar se tratando com um psiquiatra.

Assim, o sofrimento de Jordi aumenta por não contar com ninguém, porém isso começa a mudar quando ele conhece uma garota que também sofria bullying.

Os dois se conhecem pessoalmente e começam a se gostar.

Em uma cena do filme, essa garota vai parar no hospital, sofrendo uma parada respiratória por ter apanhado de um grupo de garotas na escola.

Nessa mesa hora, Jordi que tinha ido ver essa garota no hospital sai correndo e fica longe de casa por uns dias.

No fim do filme, após sua mãe e o vizinho “Fred” terem procurado Jordi por todos os lugares, Jordi se suicida, pulando do telhado de seu apartamento.

É então mostrado o caixão do garoto na quadra de sua escola, com os alunos de sua sala colocando flores sobre ele.

Na última cena, na sala de aula, sem Jordi e sem o grupo dos garotos zombadores que foram expulsos da escola, o professor diz sentir falta de Jordi e inicia sua aula. O filme acaba com a voz de um narrador falando sobre as estatísticas de casos de bullying na União Européia.

De acordo com a Enciclopédia Wikipédia, O cientista sueco - que trabalhou por muito tempo em Bergen (Noruega) - Dan Olweus define bullying em três termos essenciais:

1. o comportamento é agressivo e negativo;

2. o comportamento é executado repetidamente;

3. o comportamento ocorre num relacionamento onde há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.

O bullying divide-se em duas categorias:

1. bullying direto;

2. bullying indireto, também conhecido como agressão social

O bullying direto é a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos. A agressão social ou bullying indireto é a forma mais comum em bullies do sexo feminino e crianças pequenas, e é caracterizada por forçar a vítima ao isolamento social. Este isolamento é obtido através de uma vasta variedade de técnicas, que incluem:

• espalhar comentários;

• recusa em se socializar com a vítima

• intimidar outras pessoas que desejam se socializar com a vítima

• criticar o modo de vestir ou outros aspectos socialmente significativos (incluindo a etnia da vítima, religião, incapacidades etc).

O bullying pode ocorrer em situações envolvendo a escola ou faculdade/universidade, o local de trabalho, os vizinhos e até mesmo países. Qualquer que seja a situação, a estrutura de poder é tipicamente evidente entre o agressor (bully) e a vítima. Para aqueles fora do relacionamento, parece que o poder do agressor depende somente da percepção da vítima, que parece estar a mais intimidada para oferecer alguma resistência. Todavia, a vítima geralmente tem motivos para temer o agressor, devido às ameaças ou concretizações de violência física/sexual, ou perda dos meios de subsistência.

Alguns casos de bullying que terminaram em tragédia:

Colorado (EUA), 1999

Os estudantes da Columbine High School, Eric Harris, 18 anos, e Dylan Klebold, 17, mataram 12 colegas e um professor e cometeram suicídio em seguida. A história motivou o documentário ‘Tiros em Columbine’, de Michael Moore, que ganhou o Oscar em 2003.

São Paulo, 2003

Edmar Aparecido Freitas, 18 anos, era motivo de zombaria dos colegas de classe desde os sete anos de idade. Em 2003, ele foi ao colégio em que estudou armado com um revólver, atingiu nove pessoas e depois se matou.

Virgínia (EUA), 2007

O estudante coreano Cho Seung-hui, 23 anos, invadiu a universidade de Virgínia Tech, nos Estados Unidos, matou 30 pessoas e se suicidou. (FONTE: http://fotolog.terra.com.br/bullying:8)

Dallas, Texas (EUA)

Jeremy Wade Delle se matou em 8 de Janeiro de 1991, aos 15 anos de idade, dentro da sala de aula e em frente de 30 colegas e da professora de inglês, como forma de protesto pelos atos de perseguição que sofria constantemente.

(FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying)

Participação: Nenhum Comentário

Avaliação:

  • Atualmente /5

Se você quer comentar também Clique aqui

Compartilhe ou guarde este conteúdo

Mais Matérias de Atualidades

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98).

R7 Educação