Publicidade

Acesso Restrito

A atuação do assistente social na implementação de projetos e parcerias junto a organizações empresariais no centro comunitário da Pituba.

Por: Albeluiz Sampaio dos Santos

*Albeluiz Sampaio
**Jacqueline Sacramento
***Joelma Lisboa
****Juliana Nogueira
*****Larissa Borges

Resumo

O presente artigo apresenta a importância da intervenção dos Centros Comunitários na vida dos beneficiários através de parcerias, num processo sistêmico e gerador de recursos e mudanças. A determinação do tema apresentado foi baseada nos problemas vivenciados pelas comunidades. Atualmente podemos observar que existem projetos sociais que visam o crescimento profissional do individuo. Porém, não há um encaminhamento para o mercado de trabalho por falta de parcerias, isto é, com a ajuda de membros da sociedade que de forma voluntária oferecem recursos financeiros, materiais e humanos inserindo, desta forma esse individuo ao mercado de trabalho. A sociedade encontra-se carente de projetos sociais que visem o crescimento profissional do indivíduo.

Palavras-chave: Sociedade, Comunidades, Mercado de trabalho.

Introdução

O trabalho tem como objetivo geral diagnosticar a necessidade do encaminhamento dos beneficiários do Centro Comunitário da Pituba ao mercado de trabalho e contribuir para a criação de condições que possibilitem aos indivíduos o exercício pleno dos seus direitos de cidadania, reforçando a sua capacidade de integração e participação social.

Com a reforma do Estado no neoliberalismo, o terceiro setor com a ajuda do setor privado começou a intervir nas questões sociais através de inúmeras associações, que se fortalecem através pelo seu papel filantrópico, partindo do princípio que as ações sociais nascem da decisão individual de um possuidor de bens e recursos financeiros, visando fazer a diferença na vida de uma pessoa.

Em 09 de junho de 1960, o Sr. Cardeal da Silva fundou a Paróquia Nossa Senhora da Luz, localizada no bairro da Pituba. Com o passar do tempo houve uma ampliação da Paróquia e conforme as necessidades sociais foi criado um Centro Comunitário para atender as carências das comunidades adjacentes. O Centro Comunitário desenvolve ações diversificadas quanto às necessidades sentidas pela população, dentro de uma modalidade integrada e global de responder aos problemas das pessoas e das famílias independente das faixas etárias.

Atualmente no Centro Comunitário da Pituba podemos observar a existência de projetos sociais que visam o crescimento profissional do indivíduo, porém não há uma preocupação de encaminhamento ao mercado de trabalho por falta de parcerias. Com a ajuda de membros da sociedade dispõe-se de forma voluntária oferecendo recursos financeiros, materiais e humano inserindo desta forma esses indivíduos ao mercado de trabalho.

O profissional de Serviço Social está capacitado sob o ponto de vista teórico, político e técnico, a investigar, formular, gerir, executar, avaliar e monitorar políticas sociais, programas e projetos nas áreas de saúde, educação, assistência, previdência social, empresas, habitação, entre outras. Realizam consultorias, assessorias, capacitações, treinamentos gerenciamento de recursos, favorecendo o acesso da população e usuários aos direitos sociais; e trabalhos em instituições públicas, privadas Organizações não Governamentais e juntos aos movimentos populares.

O Assistente Social contribui no processo de discursão nas organizações, produzindo significativos e desafiadores avanços permeados por inúmeras incertezas principalmente ao que se refere a sua forma de inserção na Política Social. Não há duvidas que os Centros Comunitários tenham maior urgência e necessidades em ter no seu quadro de funcionários o profissional do Serviço Social, pois além da possibilidade de contribuir com a realização de diagnósticos sociais indicando possíveis alternativas à problemática vivida por muitas comunidades, o assistente social também poderá intervir neste processo de inclusão.

“O assistente social, pelo reconhecimento de seu trabalho integrativo, é requisitado para atuar na área de RH para satisfazer ‘necessidades humanas’, contribuindo para a formação da sociabilidade do trabalhador de modo a colaborar na formação de um comportamento produtivo compatível com as atuais exigências das empresas. Essas exigências sugerem que o serviço social é considerado, pelas empresas, como instrumento promotor da adesão do trabalhador as novas necessidades destas. Para tanto, refuncionalizam suas demandas profissionais sob o manto da inovação e da modernidade” (CESAR, 1998, p. 126)

O Centro Comunitário constitui uma resposta social, cuja metodologia de intervenção permanece essencialmente em princípios éticos e morais, sendo considerado um elemento vital para a construção da realidade social e tornando-se um verdadeiro pólo de desenvolvimento e incentivador das solidariedades locais.

Desenvolve diversos cursos e projetos sociais, conta com um quadro de 7 funcionários contratados, 22 voluntários e é isento de impostos, mantendo-se financeiramente das taxas cobradas aos beneficiários e de doações dos fiéis que frequentam a Paróquia Nossa Senhora da Luz.

Projetos e Cursos do Centro Comunitário da Pituba

Os cursos são ministrados por profissionais voluntários, e possui uma quantidade específica de participantes, a partir do que já foi estipulado pelo orientador.

Lei do Voluntariado, nº 9.608, de 18/02/98.

Art. 1º - Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade. Parágrafo único: O serviço voluntário não gera vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim1.

1. Disponível em: Acesso em: 12 novembro 2010

É cobrada uma taxa que varia entre R$ 5,00 a R$ 40,00 reais para cada curso, porém existe uma triagem realizada pela Assistente Social que avalia a condição financeira de cada beneficiário, possibilitando assim uma possível isenção ou redução do valor cobrado. Após a conclusão dos cursos, os beneficiários recebem um certificado, comprovando a conclusão e autenticidade do curso.

O Centro Comunitário da Pituba oferece uma quantidade diversa de projetos como: Qualificação para Serviço Doméstico, com enfoque no tratamento dado aos idosos, crianças e deficientes físicos no ambiente doméstico; o Telecentro comunitário desenvolve ações para a inclusão digital; Ler e Crescer amplia as habilidades de leitura onde possui uma biblioteca funcionando como centro de circulação de livros para os beneficiários; A Assistência Jurídica tem como proposta expor conhecimento na área trabalhista; o Artesanato verifica-se o aprendizado de técnicas de bordados e pinturas; O apoio a Adolescentes Grávidas em situação de risco abordando questões ligadas às circunstancias da maternidade precoce oferecendo conhecimento específico saúde; Culinária promove técnicas de culinária, treinamento embasado em conceitos de higiene no preparo dos alimentos. Fortaleceu o programa Alfabetização de Adulto desenvolvido em parceria com o Banco do Brasil; Educação e Saúde conscientizam crianças e adolescentes com sobrepeso; Atendimento Psicológicoé feito acompanhamento por psicólogossemanalmente.

O Centro Comunitário da Pituba é totalmente mantido por doações da própria comunidade e não tem vínculo com órgãos públicos.

Após um levantamento mais apurado sobre os projetos desenvolvidos pelo Centro Comunitário da Pituba, o que mais chamou atenção foi o projeto de inclusão digital que visa inserir o beneficiário nas novas ferramentas da tecnologia computacional. O curso de Inclusão Digital tem duração de três meses, oferecendotreinamento em Windows, Word, Excel, PowerPoint, MSN e Internet, para jovens, adultos e idosos, em que há opções de aulas com duração de duas horas, as segundas, terças, quartas e quintas-feiras. Aos beneficiários optantes por curso aos sábados, em aula semanal única, a carga horária é expandida.

Os instrutores passam por um treinamento especializado e são assistidos por outro voluntário que atua como apoio.

Cada turma comporta, no máximo, 26 alunos, que compartilham o uso dos equipamentos em duplas, com exceção do grupo composto de idosos, que, por suas peculiaridades, conta com um aluno por máquina, no total de 13 alunos.

Para emissão de certificado, exige-se frequência de no mínimo 75% das aulas. Este diagnóstico social foi realizado baseado numa visita técnica, que tem como objetivo explanar a realidade dos Centros Comunitários.

Apesar da condição favorável oferecida pelo centro, nota-se que ao término de cada curso não há um encaminhamento dos beneficiários ao mercado de trabalho, dificultando desta forma a inclusão dos mesmos neste meio.

Esta situação agrava ainda mais os problemas da sociedade, como: desemprego, desvalorização profissional, violência, má distribuição de renda e modificações das relações familiares, gerando uma desestruturação social causada principalmente pela ausência de uma educação fundamentada nos diversos espaços de convívio social, seja para a adequação do indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos a sociedade.

“Uma grande parte da população – os excluídos - permanecem à margem do desenvolvimento e não usufrui dos benefícios alcançados pela sociedade – trabalha desde criança desenvolve atividades sem qualificação, não tem instrução nem acesso a eventos culturais, não desfruta de saneamento básico e, às vezes, nem de umteto”. (COSTA, 2008 P. 254).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ressaltamos a importância do papel desempenhado pelos parceiros voluntários num processo de desenvolvimento local, uma vez que estes detêm enormes potencialidades que concorrem para coesão social, com ações preventivas nas comunidades onde estão inseridas.

A união de esforços pode fazer com que o Centro Comunitário da Pituba forme cada vez mais cidadãos capazes de compreender o mundo que os cerca, tornando-os ativos em sua transformação. É importante que as parcerias funcionem de uma forma simples, desburocratizadas, que facilitem o diálogo, a participação e a decisão, que sejam flexíveis na procura de soluções para resolução de problemas ou para a criação de novas respostas.

Baseado nas competências do Serviço Social é correto afirmar que o Assistente Social efetiva sua intervenção nas relações entre os homens no cotidiano da vida social por meio de uma ação global de cunho socioeducativo ou socializadora de prestação de serviços.

Compreendemos que o profissional de Serviço Social tem um papel relevante a desempenhar. Sua prática e convivência social podem construir e fazer a história da profissão, na medida em que à atuação comprometida de cada Assistente Social com dimensão ético-política posta no Código de Ética do Assistente Social, aponta uma direção social que poderá, de forma efetiva, responder as necessidades.

REFERÊNCIAS

CESAR, Mônica de Jesus. Serviço social e reestruturação industrial: requisições, competências e condições de trabalho profissional. In: MOTA, Ana Elizabete (org.). A nova fábrica de consensos. São Paulo: Cortez, 2ª ed., 1998. p.126.

PITA, Fabiane; MARIANA, Ivo; PRISCILA, Reis. Jornal Comunidade Informativo da Paróquia Nossa Senhora da Luz, Salvador, 05 jun. 2009. Disponível em: < http://www.pnsluz.com.br/>. Acesso em 04 nov. 2010.

COSTA, C. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. 3ª Edição. São Paulo. Editora Moderna, 2005. p. 126, 254, 259.
Anexos:

DEPOIMENTO DA BENEFICIÁRIA EDNALVA SANTOS (Projeto Inclusão Digital-Noturno)

’’Esse Projeto está sendo muito importante para mim, porque eu estou aprendendo aquilo que eu achava que não seria capaz de aprender, que é de entender o mundo dos computadores. Hoje eu entendo, mas, não posso negar que é um grande desafio. Por isso é que agradeço a Deus por este Projeto‘’. 

Participação: Nenhum Comentário

Avaliação:

  • Atualmente /5

Se você quer comentar também Clique aqui

Compartilhe ou guarde este conteúdo

Mais Matérias de Administração

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98).

R7 Educação